• LondriMoney

Programa do BRDE de apoio a startups recebe 179 inscrições

BRDE Labs inicia fase de seleção de startups que apresentaram soluções com foco no agronegócio e na indústria 4.0. Inscritas são de 15 estados e mais o Distrito Federal

Foto: Rodolfo Buhrer/AEN

O BRDE Labs, programa do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul, realizado no Paraná, recebeu a inscrição de 179 startups de todo o Brasil. O programa tem como objetivo apoiar, capacitar e aportar recursos a startups que desenvolverão soluções para diversas áreas, mas com foco principal no agronegócio.


Essas startups se inscreveram na categoria denominada Product Lab - laboratório de produto, em que são apresentados os produtos e seus respectivos mercados. Mais de 15 estados, além do Distrito Federal, estão representados. O maior número de empresas inscritas veio de Paraná, São Paulo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Minas Gerais.


O programa teve seu edital lançado em fevereiro deste ano. O resultado da primeira categoria foi apresentado pela Hotmilk, aceleradora da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) e curadora do Programa BRDE Labs, em workshop virtual realizado nesta semana.


Participaram do workshop as cooperativas agroindustriais paranaenses e empresas parceiras como Castrolanda, Cocamar, Cocari, Coopacol, Coopavel, CVale, Frimesa, Integrada, Lar, Primato e a Angelus,  além de representantes do BRDE e da Ocepar.


“O evento foi importante para engajar os parceiros para a nova fase que é a de avaliação e seleção das empresas”, explica o diretor de operações do BRDE, Wilson Bley Lipski. “Nosso objetivo é aproximar as startups de potenciais clientes, além de fomentar a inovação no Paraná, atendendo a orientação do governador Ratinho Junior”, afirma. 


Segundo Lipski, o BRDE Labs atende a um objetivo estratégico do BRDE, que é a promoção do ecossistema de inovação, alinhando-se à diretriz do governador Carlos Massa Ratinho Junior de transformar o Paraná em um hub tecnológico.


SELETIVAS - Na primeira seletiva, as startups são avaliadas por um comitê formado por representantes das cooperativas, do BRDE e da Hotmilk, a partir dos critérios estabelecidos no edital. Desse processo saem 50 startups para a fase seguinte.


Na segunda seletiva, é analisada a adequação das soluções propostas às demandas identificadas pelos parceiros, e são selecionadas 30 startups, que irão para a fase de apresentação pessoal para uma banca avaliadora. Na sequência, 20 startups entram na fase de pré-aceleração, com as 10 melhores sendo habilitadas para o programa de aceleração.


As startups selecionadas poderão ser direcionadas para um dos dois Hubs do Programa – Toledo ou Londrina e receberão capacitação em áreas como estratégia de vendas, relações públicas e financeira, desenvolvimento de produtos, entre outras.


Ao final do programa, o BRDE, em conjunto com a Hotmilk e as Cooperativas, avaliará o desempenho de cada startup. As melhores soluções poderão fazer parceria com as cooperativas ou receber investimento dos Fundos em que o BRDE é cotista.


“O BRDE está em novo momento e, como banco de desenvolvimento econômico, assume uma postura mais ativa de apoio à inovação nos estados do Sul, já que empresas de tecnologia geram muitos empregos com bons salários”, destaca Wilson Bley Lipski.


BUSINESS LAB - A outra categoria do programa é denominada Business Lab – desenvolvimento de negócio, está com as inscrições abertas até 20 de julho. As inscrições podem ser efetuadas por meio do site www.brdelabs.com.br


Matéria: AEN

  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle

© 2020 por LondriMoney