• João Escapelato

Sanepar aciona protocolo de gestão de crise para superar falta de água

Medidas diminuem impacto da estiagem severa, mas população deve manter uso racional


A Sanepar está desenvolvendo uma série de medidas para reforçar a produção, a reservação e a distribuição de água e diminuir o impacto da estiagem severa que já dura vários meses no Paraná. São ações que fazem parte de um protocolo de gestão de crise, baseado em planejamento prévio, que prevê o início de cada processo de acordo com a demanda. O agravamento da estiagem no Paraná fez o Governo do Estado decretar situação de emergência hídrica por 180 dias.


Várias medidas já foram implementas e começaram a dar resultado, minimizando os efeitos da crise hídrica em áreas que estavam sofrendo com o abastecimento intermitente, principalmente, nos domicílios que não têm caixa d’água.


Uma das primeiras medidas implantadas foi o rodízio no sistema integrado e em alguns sistemas isolados de abastecimento da Região Metropolitana de Curitiba (RMC). Também foi adotada a aceleração e a antecipação de várias obras, além do aproveitamento de reservas estratégicas, programadas para utilização em casos extremos.


Como não há previsão para chuvas em volume significativo para normalizar a vazão de rios e regular o nível das barragens, a Sanepar seguirá trabalhando neste cenário com análise técnica diária da situação dos mananciais e buscando alternativas para manter a população abastecida.


O diretor-presidente da Sanepar, Claudio Stabile, enfatiza a necessidade da água neste período como elemento de saúde fundamental para o combate ao novo coronavírus. “Neste momento delicado, o consumo da água deve ser priorizado para alimentação e higiene pessoal. Estamos trabalhando muito para não faltar água, mas diante desta estiagem severa, a população precisa colaborar não desperdiçando, usando de forma econômica para que todos tenham acesso ao produto”, finalizou.


Com AEN

  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle

© 2020 por LondriMoney