• Matheus Philip

SEMA tem recurso aprovado para plano de ações na área ambiental

Investimento de R$5,6 milhões, via Fundo Municipal do Meio Ambiente, contempla revitalização do Parque Arthur Thomas, melhorias na gestão de arborização e serviços de manutenção

Foto: Emerson Dias

A política de gestão ambiental em Londrina será fortalecida e aprimorada com a implantação de um novo plano, aprovado ontem, segunda-feira (25), pelo Conselho Municipal do Meio Ambiente (Consemma), que garantiu repasse de R$5,6 milhões à Secretaria Municipal do Ambiente (SEMA). Este recurso, advindo do Fundo Municipal do Meio Ambiente, será utilizado pela Prefeitura de Londrina para a realização de um plano de aplicação integral, que envolve ações e serviços para atendimento a diversos segmentos.


O pacote é amplo e inclui a revitalização do Parque Arthur Thomas, melhorias na gestão de arborização urbana com avanços no plantio, podas, erradicação e controle de pragas. Ainda abarca compra de equipamentos para melhorias estruturais, parcerias institucionais com o terceiro setor e incremento ao Fundo de Proteção Animal, entre outros pontos. A verba é oriunda de arrecadação de ICMS e também de multas ambientais.


De acordo com o secretário municipal do Ambiente, José Roberto Behrend, a aprovação atual do repasse do Fundo, contemplando, em plano unificado, um amplo conjunto de demandas, é uma iniciativa inovadora no Município. Ele destacou a importância do recurso. “Agradecemos a sensibilidade e empenho do Conselho para a aprovação deste novo modelo de planejamento, que traz um norte mais preciso aos trabalhos, mais organização e eficiência. O pacote é amplo e inclui revitalização do Parque Arthur Thomas, melhorias na gestão de arborização urbana, parcerias institucionais com o terceiro setor e reforço ao Fundo de Proteção Animal, entre outros pontos. Terão continuidade trabalhos já existentes e outros serão retomados, além da implantação de novos projetos”, enfatizou.


Um dos projetos principais é direcionado ao Parque Arthur Thomas, que receberá investimento de cerca de R$2,3 milhões para uma série de melhorias. As ações contemplam o desassoreamento do Ribeirão Cambé, que passa pelo local, hoje fechado para visitações em razão da pandemia do novo coronavírus. “A intenção é adotar o mesmo formato que está sendo executado, com sucesso, no Lago Cabrinha da zona norte, em serviço feito pela CMTU com contratação de horas máquina. É uma estratégia que se mostrou eficaz e muito mais econômica que outros projetos, então a ideia é utilizá-la”, contou.


A segurança do parque também será reforçada com a reforma de alambrados, cercas e calçadas externas, melhorando as condições de acesso do público ao parque. A correção de buracos e deformidades existentes nas grades ajudarão a impedir o acesso de animais domésticos ao espaço, bem como reduzirão as chances de escape de animais silvestres, como já ocorreu em algumas oportunidades. “Com isso, teremos uma renovação do parque para que as famílias possam desfrutar de um ambiente mais seguro, acessível e completo”, disse Behrend.


Além disso, haverá a manutenção de serviços de jardinagem, capina e roçagem, e outras melhorias na estrutura interna do parque, incluindo trilhas, guaritas e instalação de novos aparelhos de ar-condicionado no Centro de Educação Ambiental. Parte desses serviços já vinham sendo feitos, com atuação de apenados do Centro de Reintegração Social de Londrina (CRESLON), e poderão ser retomados.


Segundo o presidente do CONSEMMA, Charles dos Santos, a aprovação final deste recurso do Fundo, repassado ao Município, é fruto de uma série de deliberações e análises técnicas ocorridas em reuniões ordinárias e extraordinárias, levando em conta a relevância das demandas propostas pela Secretaria do Ambiente. “Inovar nas políticas ambientais é um grande desafio ao poder público. Houve entendimento do Conselho de que este plano de aplicação conta com projetos importantes para a manutenção e aprimoramento de serviços essenciais, e implantação de iniciativas como a revitalização do Parque Arthur Thomas. Poucos municípios fazem investimentos nessa ordem para cuidar do meio ambiente, e Londrina vem mostrando força nesse sentido”, disse.


O CONSEMMA, hoje composto por 39 membros, entre titulares e suplentes, terá a tarefa constante de acompanhar todas as etapas de aplicação dos recursos, desde projetos, contratações e execuções. “Há muito trabalho pela frente após a aprovação do recurso, e não somente relacionado a estas demandas. Durante todo o ano, o órgão continua exercendo suas funções de caráter consultivo, deliberativo e fiscalizatório”, acrescentou.


Arborização urbana – Com este recurso, a gestão ambiental de arborização da SEMA terá injeção de mais de R$1,2 milhão para avançar em suas frentes principais. O serviço de plantio poderá adquirir cerca de 16 mil mudas, incluindo mais de mil árvores de grande porte, que serão levadas a todas as regiões da cidade. O programa de erradicação também terá continuidade, com a previsão de erradicar 1.100 árvores, somando-se às mais de 2.200, entre unidades mortas e doentes, que já passaram por este processo desde o início de 2019. Haverá, ainda, a destoca de mais mil árvores, que serão replantadas e atuação no controle de pragas.


Com este conjunto, a SEMA vem evoluindo nestes programas que ajudam a melhorar a qualidade ambiental e de vida em Londrina. “Estamos conseguindo avançar no cronograma para solucionar as filas de espera pelas demandas. Isso deve ser uma política permanente. Essa manutenção colabora para melhorar a acessibilidade em calçadas de passeio, e também a reduzir os riscos de grandes danos aos patrimônios públicos e outros por conta das chuvas, o que representa mais segurança à população”, afirmou o secretário municipal do Ambiente.


Parcerias – O secretário do Ambiente informou que também está no escopo das ações investimento de, aproximadamente, R$500 mil para o desenvolvimento de projetos ambientais, em diferentes categorias, a serem viabilizados por meio de convênios firmados com o terceiro setor. As possibilidades são amplas, podendo haver iniciativas relacionadas a saneamento, resíduos sólidos, áreas de preservação, novas tecnologias, controle de poluição, entre outras ações. A execução seria para os próximos dois anos.


Proteção animal – Outros R$ 200 mil deste novo recurso adquirido pelo Município serão destinados ao Fundo de Proteção Animal, para a compra de ração que será repassada às ONGs de proteção que atuam na cidade.


Matéria: N.Com

  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle

© 2020 por LondriMoney